Semana passada foi lançado o primeiro teaser trailer de Rogue One: A Star Wars Story, um dos spin-offs anunciados pela Disney. Como não podia deixar de ser, houveram várias reações e o assunto esteve entre os Trending Topics mundiais no twitter durante o dia.

Várias especulações sobre quem seriam as personagens que aparecem correram a internet, seriam personagens já conhecidos do Universo Expandido? Apesar de a Disney ter anunciado que ignoraria todo o UE, ainda resta em alguns de nós a esperança de que pelo menos algumas personagens sejam aproveitadas, mesmo que com adaptações.

No meio disso tudo temos o que? Isso mesmo, Felicity Jones como Jyn Erso, a protagonista da história. Uma mina rebelde e cheia de atitude que, junto aos demais combatentes da resistência, vai contra o Império Galáctico a fim de roubar os planos da Estrela da Morte e evitar o domínio do Imperador. Massa! Mas não para algumas pessoas que se sentiram incomodadas com “mais uma mulher protagonista”.

Bom, anos e anos de filmes protagonizados por homens nunca incomodaram, mas basta ter meia dúzia de minas badass que já começa a “ser demais”. Aliás, o problema nem me parece ser o protagonismo feminino, porque nas comédias românticas esse mesmo pessoal nunca reclamou. O problema é ter mulher empoderada, sem apelo sexual, protagonizando filmes com temáticas supostamente masculinas. Quando se pensa em Resident Evil e Tomb Raider, por exemplo, reclama-se da história, da personagem, mas não do fato de mulheres protagonizarem, pelo simples fato de que as personagens atendem aos desejos do público masculino seja pagando peitinho, como a Alice faz em todos os filmes da sequência, seja com os seios enormes e a roupa justa nada funcional da Lara Croft.

Afinal, se as mulheres começarem a entender que são GENTE e não um objeto para desfrute masculino, como esses caras vão se virar pra lavar as próprias cuecas, não é mesmo? Acho bom irem aprendendo, porque a partir de agora (já devia ser há muito tempo, mas agora vai que vai) nossas funções são roubar planos da Estrela da Morte e lutar contra o Império, a Nova Ordem ou até mesmo liderar o exército de Troopers (volta, Phasma <3 ), e não servir de fanservice ou de par romântico.

WE CAN DO IT!

 

Yzza Rocha

Estudante de moda que quase assiste mais aula do cinema que de moda mesmo. Apaixonada por star wars, unicórnios e zumbis.